Dilma tem de governar e não brincar com a imprensa (privada)

O nome do símbolo nacional é faixa presidencial, e quem a usa em nome do povo tem autoridade para fazer apenas uma única coisa: governar.

.

Por Davis Sena Filho

.

Derrubaram o ministro Carlos Lupi, um dos responsáveis direitos por mais de dez milhões de carteiras assinadas, pela proteção das leis trabalhistas e pela efetivação de diversos programas de auxilio e proteção ao trabalhador. Mais uma vez a imprensa privada acusa e mais uma vez nada de mal feito foi comprovado. A única comprovação real e concreta é que a imprensa pauta o Governo Dilma Rousseff. Um absurdo. Daqui a pouco a bancada do Jornal Nacional e o senhor Ali Kamel — aquele que diz que não tem racismo no Brasil e talvez um dia ele possa concluir que no Brasil nunca existiu 350 anos de escravidão — vão governar o País, sem terem, porém, um único voto.

É por demais doloroso e inquietante ver o Governo Dilma Rousseff ceder para quem não deveria, ainda mais quando se trata de um sistema midiático comercial e privado, que defende interesses empresariais e não tem nenhum compromisso com o Brasil e seu povo trabalhador, que é, disparado, a melhor coisa deste País sofrido e que não conta, de jeito nenhum, com a cooperação de suas elites econômicas aculturadas, colonizadas, com imenso complexo de vira-lata e que tem Miami como referência e Corte.

Carlos Lupi, antes de tudo, não teve como se defender, e a presidenta Dilma Rousseff sabe disso mais do que ninguém, porque foi e é alvo dessa imprensa, que quase derrubou Lula, conspirou contra Jango e ajudou a derrubá-lo, apoiou, sem titubear, o golpe de estado de 1964 e os governos militares, combateu ferrenhamente Leonel Brizola e compartilhou, insofismavelmente, da queda de Getúlio Vargas, que teve como saída honrosa e política o suicídio em 1954, ato dramático que adiou o golpe por dez anos.

Não se trata de devaneio deste jornalista. Quem conhece um pouquinho da história da República Federativa do Brasil sabe o que eu estou a afirmar. Não é prudente ser pautado pela imprensa historicamente golpista. Não se bebe leite no mesmo pires de gato grande e selvagem. E não se pega serpente, em um primeiro momento, pela cabeça e sim pela fim de seu corpo. Não sei por que a presidenta Dilma não pressiona para que seja aprovada a Ley dos Medios, como o fizera o casal Kirchner, argentinos de boa cepa e quando necessitava (até hoje acertadamente age assim) ocupava horário na televisão aberta para responder a acusações infundadas e às notícias distorcidas e manipuladas, bem como mostrava para o povo argentino os avanços conquistados, porque se depender da velha imprensa burguesa nada, de qualquer governo trabalhista de qualquer país, será mostrado.

Por onde anda o projeto do ex-ministro Franklin Martins? O ministro das Comunicações Paulo Bernardo, aquele que tem medo da Globo, o engavetou? Cadê o republicanismo do governo trabalhista de Dilma Rousseff? Democratizar e regular o setor econômico midiático é constitucional e é o que prevê a nossa Constituição cidadã de 1988. Qual é o problema do Brasil em relação a meia dúzia de famílias que controlam segmento tão importante ao ponto de prejudicar e atrasar o desenvolmento social do povo brasileiro. O País, lar de todos nós, tem 200 milhões de brasileiros, a sexta economia do mundo, influência visível em todos os fóruns internacionais e memso assim o Governo eleito pela maioria dos brasileiros teima em acariciar o gato grande e selvagem que depois de beber o leite vai querer comer o seu braço, se não optar pelo pescoço.

Carlos Lupi foi embora. Orlando Silva também. E tudo fica como dantes no quartel de Abrantes. É mais do que visível e perceptível que a imprensa golpista quer engessar o Governo Dilma Rousseff, afinal os números econômicos e sociais são positivos e esta realidade não interessa àqueles que fazem parte da oposição midiática de direita à presidenta trabalhista, que no ano que vem, juntamente com Luiz Inácio Lula da Silva vai participar de mais um embate eleitoral, onde estará em jogo, nada mais e nada menos, que a cadeira de prefeito de São Paulo e cujo candidato da esquerda o ministro da Educação, Fernando Haddad, responsável direto pela construção e inauguração de mais de duzentas escolas técnicas e de dezenas de universidades federais e centenas de extensões, além da inclusão de milhares de jovens de escolas públicas e de cidadãos negros no mundo universitário federal, que até o governo do neoliberal FHC era elitizado e aberto às classe sociais abastadas e por isso privilegiadas.

A imprensa burguesa vai bater firme e sem trégua, como sempre o fez. As famíglias controladoras de mídias tem a mentalidade mais atrasada e tacanha de todos os segmentos empresariais brasileiros (eles são mais atrasados que os ruralistas da UDR) e não vão querer peder o controle dos recursos publicitários e outros negócios advindos dos tucanos paulistas a cerca de 20 anos. Se o PSDB não eleger o próximo prefeito, a direita brasileira estará em maus lençóis, porque perderá seu bastião, alicerçado na imprensa paulistra, que, sabedora, da fragilidade da oposição partidária ao Governo Dilma, faz a vez e a voz dela. Fernando Haddad que se prepare para os golpes baixos e denúncias vazias da imprensa corporativa, que usará, preferencialmente, bandidos como acusadores.

Quase sempre o método sujo é este. E dou mais um exemplo: o ministro Fernando Pimentel, companheiro e amigo de décadas da presidenta Dilma e que agora é a bola da vez, se assim a presidenta o quiser, porque até agora o Governo não se importa de ser pautado. A imprensa, na verdade, é o Partido da Imprensa, e quem não sabe disso ainda é porque acordou recentemente de um coma profundo ou deve ser um extra terrestre, amigo íntimo do ET de Steven Spielberg.

É lamentável, ao menos para mim, ver o Governo Dilma como refém daqueles que nem voto tem. O PT e o Governo Federal não devem tergiversar com a imprensa, que quer pautá-los e está a conseguir seu intento. O Governo tem de governar sem medo. Tem de efetivar seu programa social e econômico para melhorar a qualidade de vida do nosso povo. Só isso. Nada mais e nada menos do que governar. O PT e seus alidados, que venceram as eleições nas urnas, tem de, repito novamente, governar, porque exatamente para fazê-lo que eleito pelo grande povo brasileiro, que é muito melhor e chique que a nossa elite que gosta de usar casaca e cartola em um país tropical e considera Miami sua adorada Corte.

Não se tira a mão da cumbuca sem antes abri-la. Quero afirmar que o governo trabalhistga tem de abrir a caixa de Pandora e realizar, o mais rápido possível, a regulação de setor midiático, que é um segmento empresarial como os outros, que têm regulação. Favor não confundir com censura, liberdade de imprensa e de expressão. Quem confunde, de forma proposital, são as famíglias e os jornalistas replicadores dos interesses da velha imprensa privada que não tem compromisso nenhum com o Brasil e nunca terão, porque, realmente, a democratização das mídias não está, convenientemente, na pauta do Partido da Imprensa.

Anúncios
por Jornal de Caruaru

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s